Blog


Educação: aprendizados fundamentais para uma formação humana

16/03/2018

A educação brasileira vive momentos de transformação. Vista como atitude transformadora, hoje ela tem a função de modificar e melhorar a sociedade em que vivemos. Nesse contexto, a CUREM – Cursos de Urgência e Emergência – acaba de fechar parceria com o Sindicato das Escolas Particulares de Minas Gerais (Sinep/MG) para levar às instituições de ensino associadas o Projeto Amigo do Peito.

O Amigo do Peito é um programa pioneiro de acompanhamento, capacitação e treinamento de leigos nas escolas e empresas de todo o Brasil, para situações de urgência e emergência no dia a dia. “Muitas vezes as pessoas não têm ideia de que dispõem desse tipo de informação tão perto e de que podem fazer a diferença em uma situação emergencial. A divulgação junto ao Sinep/MG e às escolas sindicalizadas vai ser fundamental, porque o Projeto, assim como a educação, visa à formação humana”, afirma o diretor da CUREM, Hélcio Levindo Coelho Neto.

A parceria vai possibilitar às escolas associadas ao Sinep/MG um conhecimento maior sobre o Projeto, além de condições diferenciadas para contratação dos cursos de primeiros socorros da CUREM. “Essa parceria tem um valor extraordinário para todos nós que somos educadores, porque preservar a vida é também uma função educativa. Hoje a vida está muito banalizada, com crimes acontecendo por causa de brigas de trânsito e desavenças entre vizinhos levando pessoas à morte. O trabalho da CUREM vai de encontro a essa realidade, no sentido de fazer as pessoas ajudarem o próximo”, destaca o presidente do Sinep/MG, Emiro Barbini.

Segundo dados da Sociedade Brasileira de Arritmias Cardíacas (Sobrac), sete em cada dez paradas cardíacas ocorrem fora do ambiente e hospitalar - 50% desses casos são presenciados por crianças ou adolescentes sem nenhum adulto por perto. Números que ainda não levam em consideração casos como engasgos, convulsões, fraturas, que podem ocorrer dentro do ambiente escolar. “Estamos falando de um público com formação elevada, e mesmo eles não têm conhecimentos sobre primeiros socorros. A ideia é difundir a informação de forma totalmente fácil e prática, com a mão na massa, porque quando praticamos o que aprendemos, conseguimos gravar melhor”, conclui Neto.

por Agatha

Compartilhe


Tags